Éder Aleixo

O Canhão do Olímpico



 

Nascido na cidade de Vespasiano-MG, no dia 25 de maio de 1957, o atacante Éder Aleixo de Assis foi um ponta-esquerda que marcou sua passagem pelo no final da década de 70. Após começar profissionalmente no futebol pelo América-MG, Éder foi trazido para o Tricolor pelo técnico Telê Santana em 1977.


 

Formando o trio ofensivo com André Catimba e Tarciso, Éder infernizava as defesas adversárias atuando com muita força e tinha rara facilidade na batida da bola. Aliado a uma grande potência nos chutes, logo recebeu o apelido de Canhão do Olímpico.


 

O atleta permaneceu no Clube por três temporadas e sagrou-se bicampeão Gaúcho sob o comando de Telê Santana e Orlando Fantoni, em 1977 e 1979.


 

Não raro cobrava escanteios e faltas, devido a grande precisão na perna esquerda. Dessa forma anotou o gol do título de 79, em forte cobrança de falta no Olímpico, que decretou a vitória sobre o Brasil de Pelotas por 3 a 0.


 

Atleta de forte temperamento, Éder em algumas oportunidades acabava expulso, mas não levava desaforo para casa. Com a camisa do Grêmio balançou as redes dos adversários em 66 oportunidades.


 

Em 1980 defendeu o Atlético-MG e teve o melhor momento da carreira, quando foi chamado para defender a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982, em uma equipe tida como muitos como a que deteve a maior quantidade de craques em todos os tempos. Além de defender outras equipes pelo país durante a carreira, Éder passou ainda pelo Cerro Porteño, do Paraguai, e pelos turcos do Fenerbahçe.


 

Recentemente o atleta visitou o estádio Olímpico e falou com emoção sobre a época que defendeu o Tricolor, afirmando regressar no tempo ao encontrar, nas dependências do estádio, funcionários que seguem trabalhando no Grêmio.