Jogo 1: Gama 2 x 1 Grêmio

Para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro, o Grêmio montou um time praticamente do zero, com o objetivo de ser competitivo no torneio, ainda que a renovação tenha comprometido sua campanha no Estadual e na Copa do Brasil. Assim, no dia 23 de abril, o Grêmio estreou no Brasileiro de 2005 contra o Gama, no Estádio Bezerrão, no Distrito Federal.

Depois de ser eliminado da Copa do Brasil com uma derrota de 3 a 0 para o Fluminense três dias antes, a diretoria apostava numa reação do grupo com a estréia do técnico Mano Menezes à frente da equipe, substituindo o uruguaio Hugo De León, dispensado após o jogo do Maracanã.

Com uma equipe bastante diferente daquela que iria terminar a competição no final do ano, o Tricolor acabou derrotado por 2 a 1 numa partida desalentadora.

O garoto Ânderson abriu o placar para o Tricolor logo no início da partida, mas o Gama reagiu na etapa final e virou o jogo para 2 a 1 com gols de Maia e Vitor. Pior ainda, o zagueiro Marcelo Oliveira foi expulso.

Não era o que o Grêmio esperava para começar a Série B, mas serviu para que Mano Menezes pudesse observar que a equipe precisava se reforçar para o restante da competição.

Gama: Alencar; Patrick, Tiago, Luis Henrique e Jean; Emerson, Goeber, Wesley (Daniel) e Adriano; Victor (Cuca) e Jonhes (Maia). Técnico: Mauro Fernandes.

Grêmio: Eduardo; Alessandro, Alessandro Lopes, Marcelo Oliveira e Marcinho (Saraiva); Marcus Vinícius, Nunes, Bruno e Anderson (Samuel); Márcio Oliveira (Dênis) e Somália. Técnico: Mano Menezes.


Jogo 2: Grêmio 4 x 3 Avaí

Depois da derrota para o Gama na abertura da competição, o técnico Mano Menezes agiu rápido e, antes mesmo do segundo jogo, promoveu a dispensa de 11 jogadores. Como reforços, o Grêmio trouxe os goianos Pedro Júnior e Paulo Ramos. Além deles, Pedrinho e Jeovânio se preparavam para a estréia oficial no Clube.

Atuando no Estádio Beira Rio, com os portões fechados para cumprir pena pelas invasões de campo do ano anterior, o Grêmio estreava em Porto Alegre pela série B do Brasileirão enfrentando o Avaí, de Santa Catarina. Longe do apoio da torcida e fora do seu estádio, algo inédito dentro dos 102 anos de história do Tricolor.

Buscando o entrosamento dentro do campo, o Grêmio abriu o marcador logo no início, com um golaço de Ânderson. Aos 13 minutos, Fábio Oliveira empatou para o Avaí. Mas foram necessários apenas mais dois minutos para que Ânderson voltasse a marcar, com o Grêmio terminando o primeiro tempo à frente no placar.

Na segunda etapa, aos 9 minutos, Pedrinho cobrou falta com violência e ampliou para 3 a 1. A vitória parecia bem encaminhada, mas o Avaí mostrou que não estava morto e chegou ao segundo gol através de uma cobrança de falta da intermediária feita por Pedro Paulo. O goleiro Eduardo foi surpreendido pela curva da bola e acabou falhando.

Seis minutos depois, num bate-rebate na área tricolor, após uma cobrança de escanteio, Léo Mineiro conseguiu o empate para os catarinenses: 3 a 3.

Já nos descontos, quando tudo parecia perdido, o Grêmio conseguiu o dramático gol da vitória, aos 48 minutos. Douglas Silva cobrou falta ao lado da área, pela direita, e o zagueiro Marcos Basílio acabou metendo a cabeça para fazer contra: Grêmio 4 a 3.

Apesar do pouco futebol apresentado, os primeiros três pontos dentro da competição foram bastante comemorados. O torcedor que fez a festa acompanhando somente pela TV pôde ter a real noção da dificuldade que o Clube teria durante o ano de 2005 dentro da Série B.

Grêmio: Eduardo; Alessandro, Alessandro Lopes, Marcus Vinícius e Gláuber (Paulo Ramos); Jeovânio, Pedrinho (Bruno), Douglas Silva e Ânderson; Somália e Pedro Júnior (Samuel). Técnico: Mano Menezes.

Avaí: Adinan; Carlinhos, Pedro Paulo, Naílton e Chiquinho; Marquinhos (Ricardo Xavier), Basílio, Léo Mineiro e Alberoni (Beto); Fábio Oliveira (Rogério) e Samuel. Técnico: José Galli Neto.


Jogo 3: Grêmio 0 x 2 Ituano

Ainda atuando no estádio Beira Rio com portões fechados, o Grêmio conheceu sua segunda derrota dentro da competição em apenas três rodadas disputadas.

Ainda sem apresentar um bom futebol, a equipe de Mano Menezes foi surpreendida pelos paulistas do Ituano, em uma derrota por 2 a 0. Logo após a partida, o goleiro Eduardo pediu dispensa alegando estar sofrendo pressão fora de campo, juntamente com sua família.

A imprensa começou a especular nova contratação para o gol gremista, mas o reserva Galatto foi preparado para o jogo seguinte, contra o Criciúma.

Grêmio: Eduardo; M. Oliveira, A. Lopes e M. Vinícius (Bruno); Alessandro, Jeovânio, Pedrinho, Ânderson (P. Ramos) e Escalona; Somália e Pedro Júnior (Samuel). Técnico: Mano Menezes.

Ituano: A. Luiz; R. Lopes, Erivélton, Jéci e Wellington; W. Mathias, Dudu (R. Oliveira), Pierre e Sandro (Gedeon); F. Gaúcho (J. Carlos) e Rômulo. Técnico: Válter Ferreira.


Jogo 4: Criciúma 0 x 2 Grêmio

A derrota para o Ituano trouxe intranqüilidade e incertezas. O jogo no Beira Rio, teoricamente em casa, fez com que o Tricolor fosse obrigado a correr atrás do prejuízo contra o Criciúma, em Santa Catarina, na rodada seguinte.

Sem tempo para contratar um novo goleiro depois da saída de Eduardo, Mano Menezes decidiu apostar no jovem Galatto, que havia começado a temporada como quarto reserva, mas que aos poucos ia conquistando seu lugar no grupo principal.

E foi exatamente Galatto a grande figura da partida. Com qualidade e segurança, ele garantiu a vitória gremista por 2 a 0, a primeira partida sem sofrer gols em oito jogos.

Se Galatto resolveu atrás, foi o atacante Samuel que decidiu na frente. Logo no primeiro minuto da etapa final, depois de uma jogada sua, o zagueiro Saulo acabou marcando contra, de cabeça. No segundo gol, Samuel teve tranqüilidade para desviar na saída do goleiro Renato, decretando o placar final.

O resultado, de vital importância naquele momento da competição, deu maior tranqüilidade para Mano Menezes e seus jogadores.

Criciúma: Roberto; Saulo, Leonardo, Luciano e Juninho; Alexsandro (Athos), Erick, Fernandinho (Diego) e Douglas; Rodrigo e Éder (R. Lobo). Técnico: José Luiz Plein.

Grêmio: Galatto; Alessandro, Domingos, Marcelo Oliveira e Escalona; Pedrinho, Douglas Silva (Gustavo), Bruno (M. Vinícius) e P. Ramos; Anderson (Fábio Bala) e Samuel. Técnico: Mano Menezes.


Jogo 5: Guarani 1 x 1 Grêmio

Com a moral elevada pela boa vitória sobre o Criciúma, o Grêmio partiu para mais uma difícil missão fora de casa. O adversário da quinta rodada era o Guarani de Campinas, no estádio Brinco de Ouro.

O começo da partida foi promissor, com o Grêmio criando boas oportunidades, mas pecando na hora das conclusões. As chances desperdiçadas acabaram sendo punidas, e o time sofreu um gol no segundo tempo: Paulo André marcou de cabeça logo aos 4 minutos.

O gol abalou a equipe de Mano Menezes, que não conseguia chegar ao gol adversário para buscar o empate. Quando a derrota parecia certa, o salvador Samuel apareceu para empatar a partida aos 48 minutos, com um chute violento de fora da área, surpreendendo o goleiro Fernando.

Pela forma em que ocorreu, o resultado de 1 a 1 acabou sendo bastante comemorado como uma vitória por jogadores, comissão técnica e torcedores.

Guarani: Fernando; Alemão, Fábio Brás, Paulo André e Mariano (Juninho); M. Paulo, Umberto, Alê (Adauto) e A. Salles; Wagner e William (Jonas). Técnico: José Carlos Serrão.

Grêmio: Galatto; Alessandro, Domingos, Marcelo Oliveira e Escalona (Gláuber); Pedrinho, Douglas Silva (Fábio Bala), Bruno, Paulo Ramos (Gustavo), Anderson e Samuel. Técnico: Mano Menezes.